Preço do frete sofre variações, no país, por conta da pandemia

Preço do frete sofre variações, no país, por conta da pandemia. Nas aéreas, cresce até 1.000%. Mas, há varejistas zerando o frete ao consumidor. Dessa forma, impacto do confinamento é forte no setor de transporte.

Aéreas

1.000% de aumento nos fretes pode de ser pago pelo consumidor no setor das empresas aéreas. Nesse sentido, as aéreas também estão transformando aviões de passageiros em aviões de carga.

A matéria é da revista Veja, veiculada sob o título “Custo do frete para entregas chega a subir 1.000% em meio à pandemia“. Com o subtítulo “Sob o impacto do confinamento, empresas se veem obrigadas a repensar a entrega de seus produtos”.

Queda

De acordo com a matéria, a busca por produtos industriais também tem sentido os impactos da pandemia. Assim, conforme estudo da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística, a demanda por transporte de cargas caiu mais de 26% em março.

Já os pedidos por embalagens apresentaram uma queda acima de 55%; os eletrônicos caíram cerca de 46%; os automóveis, acima de 40%.

Caminhoneiros

Com o abalo no frete, Wallace Landim, presidente da Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores, já declarou que a categoria dos caminhoneiros não descarta a possibilidade de uma paralisação se a orientação de distanciamento social não tiver qualquer flexibilização, destaca a reportagem.

Redução no preço dos fretes

Entretanto, ha empresas que estão recorrendo ao tradicional barateamento do preço nos fretes, diante da crise. Para essas empresa, o antigo modelo se transformou em trincheira frente ao recuo da demanda.

A Telhanorte cortou o frete para consumidores com mais de 60 anos; a Oakberry suspendeu o custo da entrega para pedidos feitos pelo iFood; o Ponto Frio e as Casas Bahia oferecem uma gama de itens sem pagamento de frete para diversas regiões do país; e o Magazine Luiza cancelou o custo de entrega para mercadorias de higiene, em uma tentativa de estimular seu consumo. De maneira similar, uma rede americana de farmácias, a Savage’s Drugs, cortou os fretes de medicamentos durante a epidemia do coronavírus. São exemplos de redução no preço dos fretes dados pela reportagem.