Segunda onda da crise é preocupação de empresários, que listam sugestões

Segunda onda da crise é preocupação de empresários, que listam sugestões. Assim, pedem coordenação eficiente entre governo e poderes públicos, preservação das receitas em ambiente de queda da demanda, saúde financeira das concessionárias e protagonismo da infraestrutura “quando a crise permitir”.

São essas as principais recomendações que a Associação Brasileira da Infraestrutura de Base (Abdib) está sugerindo ao governo para enfrentamento da pandemia do coronavírus, no Brasil.

O documento, segundo relata a instituição, resultou de consulta a mais de 50 conselheiros. De acordo com a Abdib, os conselheiros representam empresas e setores produtivos que atuam na cadeia produtiva do setor de infraestrutura.

Entre essas empresas e setores produtivos, incluem-se concessionárias de serviços, construtoras, fornecedores de bens e serviços. Mas também escritórios de advocacia, empresas financeiras e de seguros, entre outras.

Manutenção dos serviços

Nas preocupações da Abdib destaca-se a que se refere à manutenção do fornecimento de serviços das concessionárias. O documento cita energia elétrica, gás natural, transportes de passageiros e cargas pelos mais diversos modais. E, ainda, água e esgoto, limpeza urbana e resíduos sólidos, iluminação pública e telecomunicações.

Ainda na esfera de medidas emergenciais, a Abdib pede coordenação eficiente do poder público para preservar o fluxo de receitas das concessionárias. Dessa forma, “em um momento em que elas já estão pressionadas devido à redução significativa da demanda por diversos serviços”.

“Há uma enxurrada de propostas atípicas e oportunidades de entes públicos que ameaçam ainda mais o fluxo de receitas das empresas”, explica Venilton Tadini, presidente-executivo da Abdib.

Com as medidas emergenciais, a Abdib se antecipa e quer evitar que ocorra uma possível deterioração da saúde financeira de concessionárias de serviços públicos essenciais de infraestrutura. Pois, caso isso ocorra, diz a entidade, haverá uma provável e consequente pressão dos agentes do mercado de capitais por antecipação de pagamento de dívidas.

Matéria completa no site da Abdib: “Para evitar “segunda onda” da crise, empresários listam medidas para infraestrutura seguir funcionando e reativar a economia”.