Ferrovias: Renovação de contratos de concessionárias na pauta do STF

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O Supremo Tribunal Federal deve julgar, em 20 de fevereiro, ação em que o governo federal está diretamente interessado. A saber, os ministros vão decidir sobre a legalidade de serem renovados os contratos de concessionárias de ferrovias.

Contra a renovação dos contratos perfila a Procuradoria Geral da República. Dessa forma, o procurador-geral Augusto Aras, segue a mesma posição adotada pela ex-procuradora Raquel Dodge.

A reclamação do Ministério Público é sobre a constitucionalidade da Lei 13.448, de 2017, que abriu a possibilidade de renovação dos contratos das concessionárias. Assim, foi possível ao governo renovar o contrato da concessionária da Malha Paulista.

Recursos

Em jogo, encontram-se mais de R$ 25 bilhões de potenciais investimentos em ferrovias que já pediram a renovação antecipada dos seus contratos de concessão. A data de 20 de fevereiro para o julgamento foi estabelecida pelo presidente do Supremo, Dias Toffoli.

Segundo matéria do jornal Valor Econômico, no que pese o desfecho ainda desconhecido, o cenário já foi mais promissor para as concessionárias e para o governo, que tem as extensões contratuais como prioridade.

TCU

Apesar de ter dado aval à prorrogação do contrato da concessionária da Malha Paulista, mais recentemente o Tribunal de Contas da União adotou outro posicionamento. Isso, no que tange a prorrogação da Estrada de Ferro Carajás (EFC), uma das duas concessões da mineradora – a outra é a Vitória-Minas.

Com receio de ver seus planos frustrados na agenda de ferrovias, o governo deflagrou uma ofensiva no STF. Assim, os ministros Tarcísio Gomes de Freitas (Infraestrutura) e André Mendonça (Advocacia-Geral da União) expuseram pessoalmente seus argumentos para Toffoli, Gilmar Mendes, Luiz Fux e Luís Roberto Barroso.

Constituição

O governo defende que o artigo 175 da Constituição assegura a possibilidade de prorrogação dos contratos. “As renovações vão permitir o maior programa de redimensionamento da infraestrutura logística no Brasil, resgatando tanto investimentos como empregos e permitindo o escoamento mais barato da produção”, afirmou o titular da AGU, em entrevista ao Valor Econômico

A Frente Nacional pela Vota das Ferrovias (Ferrofrente) se posiciona contrariamente à Lei 13.448. Todavia, favoravelmente às renovações está a Associação Brasileira do Agronegócio (Abag). Assim como a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

 

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Mais do IBL

Hugo Leal quer garantir segurança jurídica a MP sobre o setor portuário

Com o objetivo de garantir segurança jurídica e assegurar a recomposição dos custos ex ...

Preço do frete sofre variações, no país, por conta da pandemia

Preço do frete sofre variações, no país, por conta da pandemia. Nas aéreas, cresce at ...

Covid-19: trabalhadores portuários serão escalados remotamente

Covid-19: trabalhadores portuários. Visando evitar grandes aglomerações nos terminais, ...

Pesagem de caminhões suspensa em SP; locais viram áreas de repouso

Pesagem de caminhões é suspensa em São Paulo. Assim, a circulação de produtos ganha e ...
Fechar Menu